terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Chá com música: playlist, por Leonardo Alves*



Olá, pessoal!  Nada melhor do que boa música para acompanhar as nossas leituras, não é mesmo? Bora conferir a playlist desta semana!

1    There she goes – The La’s
Banda Bissexta que tem em sua discografia um único álbum, com o próprio nome do grupo. É um clássico da década de 90 que vale a pena ser garimpado. E There She Goes é uma canção maravilhosa. Pop de qualidade, melódico, para cantar junto.  Ouça aqui.

     Conversation 16 – The National
Grupo indie que alcançou seu zênite criativo com High Violet. Canções belíssimas, de arranjos sutis e letras melancólicas. “I was afraid I'd eat your brains” diz Matt Berningher, no momento mais tenso de “Conversation 16”. Ouça aqui.

3     Mother – John Lennon
Uma das canções mais tristes de todos os tempos. Lennon revisita mágoas em relação aos seus pais, que o abandonaram: “Mother/ you had me/ But I never had you”. Ouça aqui.

4       Killer Queen – Queen
Primeiro Hit mundial da banda, oriundo do disco Sheer Heart Attack. O clima music hall perpassa a canção. Temos as inigualáveis orquestrações de guitarra em overdub de Brian May e uma letra muito inteligente: fala sobre uma meretriz de luxo. Freddie Mercury, autor da canção, teve sutileza de colocar, num mesmo contexto, o popular e o sofisticado. Ouça aqui.

5     Beware my Love – Paul McCartney & Wings
Apesar de estar em um disco mediano de Paul McCartney & Wings (Wings at Speed of Sound), essa canção está entre as melhores já feitas pelo ex-beatle. Ela começa calma e se transforma num rock pesado, cheio de energia. Ouça aqui.

6     Tombstone Blues – Bob Dylan
Se tem um disco essencial para se levar a uma ilha deserta é Highway 61 Revisited do Dylan. “Tombstone Blues”, segunda faixa do disco, com suas guitarras afiadas, esbanja energia num bluegrass elétrico e de letra de largo fôlego poético para nenhum beatnik botar defeito. Ouça aqui.

7        Son of San – Elliot Smith
O álbum Figure 8 foi o primeiro de Elliot em uma gravadora de renome. Nota-se que a qualidade de produção melhorou muito. Algo que desagradou os fãs mais ortodoxos, que simpatizavam com as gravações caseiras low-fi que ele lançava até então. Mas trata-se de um disco clássico e “Son of San” representa bem o álbum: seja pela melancolia, pelos arranjos bonitos ao piano, seja pela influência dos Fab-four, que perpassa a canção. Ouça aqui.

8     Hallelujah – Jeff Buckley
Eu não sou grande fã de releituras.Mas esta interpretação de Jeff Buckley para a música de Leonar Cohen é sensacional.  O clima tristonho da faixa é contrastado com imagens religiosas e de conotação sexual. A música ficou ainda mais linda em sua voz de grande alcance e etérea. O dedilhado de guitarra é primoroso. Enfim: Jeff reinventou a canção! Ouça aqui.

 *Leonardo Alves é músico, poeta e Mestre em História da Literatura pela FURG. Escreve sobre música aqui no Chá com Proust. Vive em Satolep. Confira outros escritos no  blog Ensaio Lírico .  


2 comentários:

  1. Excelente lista! Agora poderia ter uma com músicas brasileiras e em espanhol. Que tal?

    ResponderExcluir